FORGOT YOUR DETAILS?

O QUE É A AYNE?

É um espaço de referência e confiança para o fortalecimento feminino, onde almejamos inspirar e incentivar mulheres a se tornarem as mulheres que querem ser com coragem, liberdade, confiança e entusiasmo.

NOSSOS ESPAÇOS

Instalada em uma casa acolhedora e iluminada, a Ayne conta com 1 auditório para palestras e worshops, 3 salas de atendimento para profissionais da área de saúde, além de um espaço multifuncional para workshops e reuniões.

Apoderamento Feminino

É o poder de apoderar-se dos seus talentos, seus desafios, suas luzes e sombras para ser a melhor versão de si mesma.

Apoio à Mulher

Na Ayne, todas as mulheres contam com um grupo de profissionais para assessoria jurídica, contábil, psicológica e financeira.

ASSESSORIA
JURÍDICA

Atendimento personalizado, levando em consideração o caso de cada mulher, as particularidades e sempre respeitando seus desejos.

ASSESSORIA PSICOLÓGICA

Temos um time de psicólogos que atendem na casa, afim de facilitar ainda mais os processos para o bem estar e autoconhecimento.

ASSESSORIA FINANCEIRA

Profissionais qualificados que atuarão na composição de estratégias de organização e recuperação financeira da mulher, de acordo com cada caso.

O porquê

A Ayne Casa de Cultura surgiu do desejo de compartilhar experiências e desafios superados. Surgiu de vivências e experiências de mulheres como você!

O que é

É um espaço de referência e confiança para o fortalecimento feminino, onde almejamos inspirar e incentivar mulheres a se tornarem as mulheres que querem ser com coragem, liberdade, confiança e entusiasmo.

Últimas da Ayne

Diversidade

Coisas que as pessoas trans gostariam que todos soubessem:

Bons Fluidos – Abril

"Queremos trazer possibilidades para mulheres que desejam desenvolver ou descobrir seu potencial, sobretudo aquelas que tiveram experiências traumáticas, sejam elas físicas, emocionais ou financeiras." Simone Lima
Ayne Casa de Cultura promove talk sobre empreendedorismo feminino com Monique Evelle                                                                                                              A história comprova que as mulheres não foram incentivadas a ocupar o território das finanças. Basta lembrar que, no Brasil, elas só tiveram acesso ao
TOP