Ayne – Reflete

Paciência

Nestas duas últimas semanas estive as voltas com meu checkup anual. Sou certamente privilegiada pelos médicos que me atendem, bem como o laboratório onde faço meus exames.

As pessoas que trabalham no laboratório são muito educadas, atenciosas e profissionais. Uma das médicas que procedeu um de meus exames foi um pouco mais seca, mas não ríspida.

Isso no momento já me chamou bastante a atenção, não é comum. Eles sempre são muito gentis, especialmente atendentes, técnicas e enfermeiras.
Provavelmente por isso mesmo assisti perplexa algumas cenas de arrogância, empáfia e estupidez por parte de clientes. A forma de tratamento dedicada às pessoas que estão lhes prestando serviço, como se não apenas obrigação, mas dever de subjugação, me deixa estarrecida.
O que faz um ser humano acreditar que seus desejos são ordens?



Cena 1

– “O sr. pode retornar a recepção para verificar “x”?”
“Por que você não faz isso?” Tom de voz alterado, alto, arrogante.

Cena 2

“A sra. precisa trazer “x”.”
“Não vou voltar lá, te vira.” Falando em cima da recepcionista. Tinha acabado de entrar no laboratório.

Como as pessoas têm dificuldade de viver em sociedade. Como é difícil entender que respeito cabe em qualquer lugar, que direitos todos têm, assim como deveres. Muita gente é excessivamente auto centrada. Não se educa mais o ser humano? O que foi feito de pai e mãe dessa gente? Ou será que é a vida que vai fazendo as pessoas ficarem duras umas com as outras?
Nada disso justifica na verdade. Cá entre nós, se precisamos contar até 10, respirar fundo pra levar um pouquinho mais a diante, que façamos. É um exercício diário?

Pode ser, mas apenas nos faz humanos também.

P.S.: Quando supostamente estava pronta indaguei de mais alguns exames que acreditava que estavam faltando e se deram conta que estava em outra ficha e não tinham incluído. Fato que provocou atraso e demoraria mais uma hora e meia pra eu sair de lá.

Fiquei indignada? Claro. Falha deles. Reclamei? Sim. Eles erraram e eu estava no horário. Vou ter que voltar…
Não é motivo de sair esbravejando com quem se puser na frente, concordam?

Por Simone Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *