Proximidade

Num momento que a gente não só se sente, mas efetivamente está isolada é inevitável olhar pra dentro da própria bolha, então que seja de forma construtiva. Nesses últimos dias mesmo não querendo pensar eu pensava. Olhava pra esse meu mundinho que ficou fisicamente limitado e o que nele contém. Achei muita coisa!Pela primeira vez fiz chamada de vídeo com mais de uma irmã (iniciativa da Débora, não minha), não é incrível que depois de 30 anos que sai de Porto Alegre eu não tenha usado esse recurso antes? Vi o rosto da minha irmã Patrícia com quem falo tão raramente de forma individual. Por que não fiz isso antes?Com as gurias da Ayne já é diferente apesar de fazermos chamadas de vídeo também. Com elas durante nosso tempo diário de encontro no WhatsApp se você ficar uma hora longe retorna com 67 mensagens não lidas “aff”. Não dá pra largar. Mas ali é bem difícil, nosso entrosamento sempre pede presença, então estamos aprendendo a lidar.Eu que em geral tenho pouca paciência pra grupos de WhatsApp tenho me divertido muito, tem gente que se faz presente e alivia o mau humor de forma tão legal! Têm aqueles deixam a gente mais estressada, é verdade, mas esses tá dando pra driblar.Tenho passado rodo em livros, leio em tanto tempo disponível e, definitivamente aproveito. Como minha hora de dormir está mais flexível as vezes vou noite à dentro…Meus filhos em casa comigo é capítulo à parte. As vezes preparo refeições com um, no outro dia com o outro. Estamos tentando manter a casa limpa e o bichos cuidados sem sobrecarregar ninguém, isso ainda está em processo… Mas definitivamente estamos sabendo aproveitar o tempo juntos, sem invasão de privacidade.Quase duas semanas de confinamento e sou muito grata ao que me rodeia.E por falar em ser grata, obrigada ao pessoal da área da saúde que está exposto por nós. Obrigada aos entregadores que estão nas ruas por nós.Obrigada as pessoas da área da cultura que tanto já fizeram e continuam fazendo pra nos fornecer quantidade e qualidade de conteúdo.Obrigada aos porteiros do meu prédio que, pra desespero do Miguel continuam cuidando do prédio.Obrigada às mentes sãs que nos rodeiam (são muitas, por incrível que pareça).Obrigada à quem se faz presente e se arrisca numa hora dessas, se disponibilizando por todes.

Por Simone Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *